sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Adeus precoce.

            Sejam muito bem vindos, fiquem à vontade! Trago para nosso debate um assunto muito interessante no futebol atual (nacionalmente falando): A saída precoce de nossas "jovens promessas" para o exterior.
           Com o passar dos anos, o futebol deixa de ser cada vez mais apenas uma modalidade esportiva, e passa a ser um grande espetáculo, e como em todo espetáculo, hoje temos em campo muito mais do que jogadores, temos verdadeiros artistas. O esporte vem adquirindo diversos atletas de alto nível para compor o seu "elenco", e por incrível que pareça, estes "artistas" são revelados cada vez mais cedo. No Brasil temos inúmeros casos de jogadores que sequer jogaram pelo time profissional do clube que os revelaram. Podemos citar os exemplos dos irmãos gêmeos Fábio e Rafael, que saíram de forma precoce de seu país para atuar por um dos maiores clubes do futebol moderno, o Manchester United. E os exemplos não param por aí, porém, não vim aqui hoje para trazer uma lista de jogadores.

           O que chama a atenção é o nível técnico do futebol brasileiro, tendo em vista que seus novos talentos ficam por pouquíssimo tempo atuando por seus respectivos clubes em nossos campeonatos nacionais. Durante muito tempo, nos acostumamos a admirar os nossos jogadores da base e num piscar de olhos "perdê-los" para o exterior. Tudo bem, todo jogador sonha em jogar por um grande clube estrangeiro, principalmente europeu, mas com a "Lei Pelé" o futebol brasileiro, ao meu ver, perdeu no quesito nível técnico. Recentemente era muito difícil um clube brasileiro competir com uma grande potência européia por exemplo.

Também tivemos os casos de Diego e Robinho. Campeões brasileiros de 2002 pelo Santos, não ficaram muito tempo em nosso país. Robinho voltou ao Santos anos depois, Diego, até hoje não retornou ao futebol brasileiro. O episódio mais recente relacionado a este assunto é o caso de Neymar. Atleta muito jovem, porém, diferenciado, de um nível técnico altíssimo, não demorou muito para chamar a atenção do mundo inteiro, e o interesse de grandes clubes como Barcelona e Real Madrid

           É louvável o esforço do Santos para manter o jogador, principalmente pelo fato do clube disputar um Mundial Interclubes no fim deste ano. Mas ao final do Mundial, será possível manter o jovem atleta no futebol brasileiro? Sinceramente, seria um desperdício não permitir que o garoto mostre seu futebol ao mundo jogando com os melhores atletas do planeta. Ao meu ver, o momento é ideal para que o menino possa ser negociado, pois nos dias atuais o nível dos campeonatos de nosso país cresceu de acordo com a Copa do Mundo de 2014, que será realizada no Brasil. O evento está despertando o interesse de grandes atletas brasileiros, que sonham em voltar ou ser convocado para a seleção, a voltarem ao país para aparecer novamente na mídia. O Problema não é a "exportação" de jogadores (digo exportação porque os jogadores tem sido tratados cada vez mais como mercadorias valiosas), mas sim manter um padrão de qualidade ao futebol de nosso país.

Nenhum comentário:

Postar um comentário