terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

É diferente?



Não se fala em outra coisa. O assunto do momento é a polêmica envolvendo o vídeo divulgado no site do Botafogo FR mostrando cenas dos bastidores das partidas contra Fluminense e Audax. Oficialmente, o Fluminense exigiu uma retratação do clube alvinegro. O clube de General Severiano respondeu. Tarde demais, a hipocrisia já havia tomado conta de parte da mídia.


O que irrita não é ler uma opinião sobre o assunto, mas sim um argumento que mostra o famoso "faça o que eu digo, não faça o que eu faço", pois é isto que alguns jornalistas estão fazendo. Criticando algo que já julgaram normal em outras situações. Por que é diferente agora? Respondam uma coisa: Abel Braga, por acaso, faz suas preleções para um clássico tocando piano clássico e pronunciando um mantra? Não. Nem ele nem ninguém! Oswaldo de Oliveira, por sua vez, é conhecido por sua serenidade, a partir das palavras do treinador alvinegro no vídeo, começou a polêmica. "Vamos pra dentro dos putos, tem que colocar a mão na cara". De uma hora para a outra, isso virou praticamente um atentado à moral. É compreensível repudiar as palavras de Bolívar quando diz "Vamos deixar cicatrizes nos caras", mas francamente, parem com esta bobagem. A torcida alvinegra até hoje é chamada de "chororô" por um episódio isolado, afinal, "homem não chora".
Enfim, quando surgem os alvinegros com sangue nos olhos, com garra e palavras fortes, são brutos, insensíveis e desrespeitosos. Onde está a lógica nisso tudo? Pergunte ao Fred se ele toma soco nas costelas sem o juiz ver e não deixa a mão na cara do zagueiro. Por um acaso, Fernando Henrique, quando defendia a meta do Flu, era criticado por instigar a ira dos adversários antes, durante e após os jogos? Não, não era. Isso não dava IBOPE, ou melhor, este fato não vendia notícia nem gerava audiência. Interessante não?! Além do mais, o próprio Fluminense é muito maior do que isso tudo, não precisa disso. Que o clássico volte para os campos, de onde não deveria ter saído.

Nenhum comentário:

Postar um comentário